Jovens aprendizes visitam Casa do Sol

“Encontro de gerações” teve música e interação entre os moradores e adolescentes

O “Encontro de gerações” deste mês recebeu a visita de um grupo de Jovens Aprendizes. O objetivo é fazer com que os moradores e os mais novos interajam e convivam por um dia. E, claro, é sempre um dos dias mais agitados na Casa do Sol. O grupo foi trazido pela empresa Ponto de Conexão, responsável por desenvolver trabalhos sociais em instituições com colaboradores de empresas. A escolha partiu da advogada Tania Cristina Piva. “Essa interação entre jovem e idoso é muito rica. Nós procuramos a Casa do Sol para se encaixar neste programa”, explica.
A visita foi uma surpresa não só para os moradores. Quando os participantes chegaram à sede do Jovem Aprendiz, em São Paulo, não sabiam sobre o passeio! Foi a caminho do Morro da Nova Cintra, em Santos, que pensaram em atividades para fazer com os idosos. Mesmo com a correria, tudo deu certo. Assim que chegaram, conheceram um pouco sobre a Casa e sua história, contada pela assistente social Debora de Oliveira Nobre. “Sempre acolhemos pessoas para visitar este público, que muitas vezes é esquecido”. 

Depois foram até a sala de convivência, onde os moradores já estavam esperando ansiosos. Todos conversaram e tiraram fotos. Os mais novos estavam curiosos para saber quais os passatempos preferidos deles. Para animar ainda mais o ambiente, foi necessário só um violão e algumas canções. Todos cantaram clássicos como “Trem das onze”, “Como é grande o meu amor por você” e outros. Encerraram o show com alto astral, performando a música “Sorte Grande”, caminhando até o refeitório para o almoço.
Matheus Correa Sanches, 19 anos, veio de Paranaguá (PR). Ele pensou que seria uma manhã comum de seu curso de Rádioproteção. Porém, foi surpreendido, e conversou por um tempo com a moradora Elza Passos. “Eles são muito simpáticos, está sendo muito legal para mim. Eu nunca tive essa experiência, e eu não sabia o que estava perdendo! Quero voltar mais vezes”.

“Nós chegamos no encontro e começamos a falar de avós. Foi quando ficamos sabendo que íamos visitar um asilo. Eu vi a felicidade no olhar deles”, diz Layane Moura da Silva, 17 anos.
Para os moradores, as visitas são sempre bem-vindas. Mariza Rodrigues de Almeida contou como é morar na Casa do Sol. “Eles me perguntaram se eu estou gostando. Eu disse que tem fisioterapia, ginástica, tem filme. Eles disseram que vão marcar outro dia para vir”.